Receba nossas newsletters:

UM CANAL COM MATÉRIAS E CONTEÚDOS
EXCLUSIVOS SOBRE O MUNDO CORPORATIVO.
PARA CONSTRUIR A SUA LIDERANÇA.

Compartilhe:
icone facebook icone e-mail
Prepare-se para ser um apresentador de alto impacto
PUBLICADO EM: sexta-feira, 6 de março de 2020
OUTRAS

PREPARE-SE PARA SER UM APRESENTADOR DE ALTO IMPACTO

Entre os dias 30 de março e 3 de abril, acontece na Integração a primeira turma do curso Seja um trainer, apresentador de alto impacto. A missão do curso é fazer com que qualquer pessoa consiga ganhar a atenção da plateia durante uma apresentação, com segurança e desenvoltura. Um dos professores do curso é Rodrigo Maia, que deu ao blog algumas dicas de como fazer uma apresentação de alto impacto e contou alguns detalhes do programa: 

“O título do curso, Seja um trainer, apresentador de alto impacto, é bacana. Mas não demos apenas um nome legal para ele. O programa que desenvolvemos tem a finalidade de realmente passar para os alunos meios de eles entenderem como fazer apresentações que fiquem na memória das pessoas, que sejam marcantes. 

Uma apresentação de alto impacto é aquela que atinge o objetivo do apresentador. Ela é eficaz e eficiente. Não existe uma fórmula ou receita pronta para isso. Um dos principais cuidados para se ter uma excelente apresentação é entender o contexto em que ela será conduzida. O apresentador deve observar as nuances e as características do contexto em que vai fazer sua exposição. Qual o objetivo da sua fala, onde será, quem é o público que vai ouvi-lo.

Como eu disse anteriormente, não existe um roteiro pronto de como fazer uma apresentação de alto impacto. Confesso que desconfio quando vejo algo como ‘aprenda dez fórmulas para se comunicar bem’. Essas fórmulas são eficientes? Podem ser, mas talvez elas precisem ser adaptadas para contextos diferentes. A meu ver, entender o público para quem a apresentação será voltada é o mais importante. Ou seja, para ser um apresentador de alto impacto é preciso entender de ser humano. 

É claro que há dicas que ajudam a nos comunicar melhor. Mas elas não servirão de nada se eu não compreender as pessoas para quem vou dirigir meu discurso. É interessante refletir sobre o ser humano atual levando em conta o conceito de coexistências etárias introduzido pelo cientista cognitivo Steven Pinker no livro O Novo Iluminismo. Pinker diz que a sociedade na qual vivemos hoje é marcada por diferenças muito grandes entre as gerações. Segundo ele, as diferenças de comportamento e de valores de pessoas de 50, 60 ou 70 anos com aquelas de 20 ou 30 são enormes. O mesmo se dá entre quem tem 20 ou 30 anos e aquelas que têm 5, 10 ou 15. Tudo no mundo atual acontece numa velocidade muito grande. A mudança de comportamento também segue um ritmo veloz. Por isso friso mais uma vez: alguém que vai falar para uma plateia precisa entender o contexto e saber bem o perfil do público presente. 

Fazer uma apresentação para um público homogêneo pode ser mais fácil. Um grupo heterogêneo, com pessoas de faixas etárias, classes sociais ou níveis hierárquicos distintos, pode exigir mais preparo e jogo de cintura. Como disse Pinker, as diferenças entre gerações estão muito acentuadas nos dias de hoje. 

Imagine alguém que vai conduzir duas reuniões no mesmo dia. Uma com a equipe que lidera e outra com a diretoria da empresa para apresentar resultados. Nesse mesmo dia, essa pessoa vai desempenhar dois papéis completamente diferentes, o de líder e o de liderado e estará diante de duas audiências distintas, que provavelmente têm expectativas diversas sobre o encontro. Para essa situação, não adianta tentar seguir uma lista de dicas de como se apresentar. Essas dicas podem ser um ponto de partida, mas o discurso e a maneira de falar devem ser muito bem pensados para cada uma das duas reuniões. 

Ao organizar as ideias para uma apresentação é preciso ainda levar em conta que o mundo no qual vivemos é dinâmico. As pessoas não querem perder tempo e estão ávidas por informações rápidas. Ao mesmo tempo, é preciso entregar um conteúdo excelente. Senão, ninguém presta atenção. 

Muitas vezes não estamos preparamos para essa comunicação eficaz e eficiente, mas temos de ter em mente que ela é um dos pontos-chave dos dias atuais, seja no ambiente corporativo, seja fora dele. Destaco novamente: para que a comunicação aconteça dessa forma é preciso entender o contexto e o ser humano envolvido nele. E para conhecer bem o ser humano é necessário desenvolver a inteligência emocional, que nos faz, antes de mais nada, conhecer a nós mesmos e ter empatia para lidar com os outros. 

No curso Seja um trainer, apresentador de alto impacto da Integração vamos falar de técnicas, dar dicas para superar os medos de falar em público, mas, antes de mais nada, vamos ajudar os alunos a encontrar meios para refletir sobre seus contextos e públicos e, assim, tornarem-se aptos a fazer apresentações de excelência”. 

 

Veja também a live com Rodrigo Maia sobre o curso Seja um apresentador de alto impacto.

 

Rodrigo Maia é graduado em jornalismo, radialismo e letras. É doutor em Língua Portuguesa formado pela PUC-SP e pós-doutorando em Linguística pela Georgetown University (Washington, USA). Atualmente, é professor do Departamento de Português da PUC-SP. Já atuou como professor de Língua Portuguesa e Comunicação em várias universidades brasileiras, além de ter ministrado minicursos e palestras em universidades internacionais como Columbia University e Georgetown University. Sua experiência profissional incluem ainda 18 anos em emissoras de TV. 

O curso Seja um trainer, apresentador de alto impacto tem ainda como professores: Fernando Cardoso, Renato Avanzi, Newton Ferreira, Fabio Eltz e a participação de Marcio Ballas. Saiba os detalhes do programa clicando aqui. Se tiver dúvidas, fale com nossa Equipe de Relacionamento pelo telefone (11) 3046-7878 ou atendimento@integracao.com.br.

 

Mais conteúdo 

Veja como foi o Café Panorama, que discutiu o cenário de T&D no país.

Case: saiba como foi a experiência da Cushman & Wakefield com a Integração na preparação de mentores

Leia a entrevista com Luis Zanin sobre como os jogos corporativos são aliados do RH.

Comentários: